30 de julho de 2013

Andei Lendo #26 Starters

Título: Starters

Autor(a): Lissa Price

Editora: Novo Conceito, 1º Edição 368 páginas

Sinopse: Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbador em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado...


#Resenha

Bem, pra começar, eu tinha muita expectativa nesse livro por ser uma distopia e pela capa mais do que linda, e também porque a história parecia ser ótima. Infelizmente me decepcionei demais com ele, não é nada do que eu esperava!
Starters conta a história de Calie, uma garota que vive nas ruas depois da guerra dos esporos que devastou todo mundo entre 20 e 60 anos três anos atrás. Apenas os Starters e os Enders sobreviveram. Por ser jovem e impedida de trabalhar, ela vive nas ruas em prédios abandonados com Tyler, seu irmão, e Michael, um amigo que a acompanha a bastante tempo. Tyler está doente e Calie precisa arrumar dinheiro de alguma forma para salva-lo. É ai que ela conhece a Prime Destination, uma empresa que aluga o corpo de Starters para que os Enders possam entrar em sua mente e ser jovens novamente, mas a empresa tem segredos interferem diretamente na vida de muitos Starters.
Lendo tudo isso, acho que qualquer um fica interessado na história. Eu fiquei.
Inicialmente, a personagem principal é bem chatinha, mas o que mais me irritou nela é que ela especula demais sobre os acontecimentos. Sempre que algo estranho acontece ela começa a pensar “porque será? Será que foi por isso? Então foi isso.” Eu nunca li um livro em que a personagem adivinha o motivo dos acontecimentos desse jeito. Ela nunca se engana de nada, e nada da errado quando ela resolve que aquela é a verdade e ponto final. Quando seu terceiro aluguel da errado e ela acorda vivendo a vida de uma Ender ela simplesmente aceita que aquilo aconteceu e começa a descobrir as intenções de sua inquilina, sem se desesperar de forma alguma, ela simplesmente aceita aquilo e começa a descobrir tudo... É tão frustrante ler tudo isso sabendo que nada aconteceria daquela forma naquelas circunstâncias! Além do que, já que ela não pode voltar sem antes descobrir o que está acontecendo com a Prime Destination, depois de um tempo ela simplesmente esquece a existência do irmão e de Michael, lembra deles pouquíssimas vezes no decorrer do livro. Até porque ela conhece outro garoto e meio que se apaixona por ele. E esse foi o romance mais sem graça e decepcionante que já li em minha vida, o que acontece no final é absurdamente brochante! Acho que a autora tinha uma ótima historia em mãos mas não soube trabalhar com ela. Alguns personagens deveriam ter tido mais destaque, como Michael que me conquistou no conto “Retrato de uma Starter” e simplesmente sumiu no livro. Talvez se fosse ele a narrar o livro teria sido melhor.

Não sei o que falar, o livro não é realmente muito bom, se for ler, leia sem expectativas.

• Classificação: Bom!

16 de julho de 2013

We all gonna miss you, FOREVER.

Eu olho pra isso e, sério, não sei o que pensar. Saber que nunca mais vou ver ele dançando daquela forma tosca, nem fazendo de tudo pela Rachel. Sempre fui fascinada por Finnchel/Monchele e não me conformo de não poder vê-los juntos novamente, ou de não ter visto aquele casamento que tanto esperei. E não só por Glee, mas saber que nunca mais vou ver esse gigante com esse sorriso contagioso... Passei mais uma tarde hoje ouvindo duetos Finchel, assistindo as melhores partes e chorando. De novo. Me pergunto se vou conseguir superar em algum momento. Pode parecer exagero, mas eu nunca perdi um ídolo. Nunca precisei parar e pensar que nunca mais iria vê-lo. E agora, assistindo tudo de novo, ouvindo tudo de novo, a promessa de um casamento, de um final feliz, esperando vê-lo bem depois daquele 1º de abril, quando tive a noticia de que ele tinha sido internado... Ainda espero que aquela notícia seja apenas uma brincadeira do dia da mentira...
Sei que estou escrevendo sem sentido algum, mas estou tão cansada esses dias e não podia deixar de escrever sobre esse momento aqui... Não tenho ânimo pra nada e sempre que dou um sorriso me lembro disso tudo e... tenho tentado aguentar mas ta difícil. Só espero que você esteja num lugar melhor Cory, que esteja feliz onde quer que esteja e que saiba que nós NUNCA esqueceremos você.